XD Classificados Facebook Twitter

Notícias

imagem

Max Cartuchos Informática & Recarga De Toner

O maior especialista em recarga de Cartuchos e Toner da localidade.

imagem

Hotel Fazenda Sonho Meu

Imagine um lugar onde pode andar
de pé no chão.

imagem

Padaroca Premium

imagem

Sítio São José

LONGE DA CONFUSÃO DA CIDADE.


Notícias

foto

Danúbiah

Foto: Divulgação

Comitê Internacional da Saúde de Cuba aprova pesquisas de moradora da Baixada Fluminense

Jovem pesquisadora discute a atual conjuntura do sistema brasileiro de saúde mental


O Comitê Científico da Convenção Internacional da Saúde de Cuba aprovou, em janeiro, dois trabalhos científicos da moradora da Baixada Fluminense Danúbiah Mendes, 29 anos. Pesquisadora na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e estudante do 10º período de Psicologia, ela comemora a expressiva conquista internacional. “O meu sentimento é de muita alegria acompanhado pela sensação de estar no caminho certo”, conta, com um largo sorriso, a moradora de São João de Meriti.

As pesquisas “Saúde Mental, Retrocessos e Impasses: desafios para a Reforma Psiquiátrica Brasileira” e “Educação Profissional em Saúde e Saúde Mental: a experiência do Curso de Qualificação Técnica em Saúde Mental da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio/Fiocruz-RJ” passaram pela avaliação de pesquisadores doutores.

“Um dos primeiro critérios para participar deste evento é ter um trabalho aprovado pelo Comitê Científico da Convenção Internacional de Saúde de Cuba, este processo de avaliação requer o envio do texto completo, contendo: o resumo, introdução, objetivo, materiais e métodos, resultados, conclusões e referências bibliográficas, para, que seja avaliado e selecionado se estiver de acordo com a temática do eixo escolhido”, explica a pesquisadora Mendes.

A jovem pesquisadora explica que o objetivo do trabalho “Saúde Mental, Retrocessos e Impasses: desafios para a Reforma Psiquiátrica Brasileira” é apresentar, através de pesquisa documental, uma revisão bibliográfica da atual conjuntura da Saúde Mental no Brasil. “A ideia é provocar uma reflexão sobre a relação das temáticas da privatização, da internação compulsória e das comunidades terapêuticas com as categorias impasse e retrocesso no contexto da Reforma Psiquiátrica Brasileira (RPB)”, esclarece.

Segundo Mendes, os resultados contextualizam avanços e apontam como impasses a privatização da saúde para a implementação e fortalecimento dos dispositivos da RPB. “O resultado são retrocessos de práticas que retomam ao modelo manicomial presentes na internação compulsória e nas comunidades terapêuticas, típicas do século XX”, alerta.

Já o trabalho que aborda a Educação Profissional em Saúde e Saúde Mental, de acordo com a pesquisadora, visa discutir o papel estratégico da Educação Profissional em Saúde para a formação dos trabalhadores com escolarização de nível médio, bem como para a sustentabilidade dos projetos de Desinstitucionalização em Saúde Mental.

Mendes comenta que este trabalho é resultado do contato iniciado em 2013 com o universo da pesquisa e como aluna do Curso de Especialização Técnica de Nível Médio em Saúde Mental. “É importante ressaltar que este curso foi o nosso campo de pesquisa, e, que neste trabalho apresentamos o impacto deste processo formativo no perfil e na prática dos alunos egressos das turmas de 2009 a 2013”, afirma.

Questionada sobre a importância das suas conquistas para a Baixada Fluminense, a pesquisadora foi cirúrgica. “Todo homem é dotado de intelecto! O que prova que não é o espaço geográfico que vai definir sua capacidade intelectual, mas sim, a compreensão que este fará do seu território diante das oportunidades que lhe são oferecidas”, filosofa. Para a premiada, as conquistas dela podem atuar como elemento para incentivar novos alunos a aproveitar a oportunidade de divulgar sua pesquisa, seu trabalho acadêmico. “Vejo como um legado que precisamos deixar para a nossa sociedade”, afirma com fé, dedicação e esperança.

O desafio atual de Mendes não são as oito horas por dia dedicadas ao estudo, mas, sim, viajar a Cuba, em abril, e apresentar os trabalhos. Aí você pergunta qual seria o impedimento, certo? “O recurso financeiro necessário para viabilizar a viagem para Cuba. Não é simples Viajar para fora do Brasil, porque demanda um investimento bem alto, cerca de R$ 8 mil”, disse a pesquisadora, que já apresentou trabalho em vários Estados do Brasil com recursos próprios e com o apoio da família e da instituição de ensino em que estuda. Outra conquista de Danúbiah Mendes foi vencer a edição 2016 do concurso Margarete de Paiva Simões Ferreira, do Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro.

Fonte: Xerém Digital

02 de Março de 2018

16:02:01

compartilhe

Contador: 000404

imagem

Planeta Animal Casa De Ração

Rações, Medicamentos, Materiais de Pesca.

imagem

Irã Rodrigues Forro Em Pvc

Deixe sua casa.

imagem

Guilherme Rosa Nutricionista Home Care

imagem

Info Solution